NOSSA POLITÍCA

10 de abr de 2011

Conheça as cinco profissões que podem ganhar com a Copa de 2014

Notícias Gazeta Online

DinheiroComo o Espírito Santo não receberá jogos, mas está cercado por cidades-sede, algumas profissões podem lucrar

Leonardo Soares - gazeta online

Daqui a pouco mais de três anos o Brasil receberá um das maiores competição esportivas do planeta. E com a vinda da Copa do Mundo, aumentam as obras, o fluxo de turistas no país e as chances de algumas áreas do mercado se beneficiarem com o evento. Com a ajuda de profissionais de carreira e de um estudo do Sebrae para identificar oportunidades de negócios durante o torneio, o Gazetaonline pontuou as cinco profissões que podem ganhar no Estado com a Copa.

Veja análise do consultor de carreira Elias Gomes sobre o Espírito Santo e a Copa

Como o Espírito Santo não receberá nenhum jogo, mas está cercado por cidades-sede, a esperança de um grande fluxo de turistas no Estado deixa algumas profissões mais evidentes e com possibilidade de ganho no Estado. Veja o perfil de cada uma delas.
malasGuia de Turismo - é responsável por planejar por completo os roteiros, acompanhar os turistas nos passeios e trabalhar na organização de atividades voltadas para o desenvolvimento turístico da região. É a profissão que pode fazer a grande diferença no Estado. Como muitos turistas podem chegar no Brasil antes da Copa ou mesmo ficar mais tempo depois da competição, o Espírito Santo deve atrair uma grande quantidade de pessoas que não conhecem a região.
Formação: Para os que possuem nível superior, a formação é bacharelado em Turismo e registro na Embratur. O curso superior tem duração de três a quatro anos. Mas para ser guia de turismo não é necessário formação acadêmica, apenas o registro no Ministério do Turismo.
Remuneração: pode variar. Por exemplo: de R$ 150 por dia (6h) para acompanhar turistas a R$ 200 por dia para viagens maiores de ônibus.

Moisés Borges Vieira é guia de turismo e trabalha no ramo desde 1992. Ter o Brasil como sede da Copa de 2014, na avaliação dele, é ter a oportunidade de mostrar que o guia é fundamental em um evento de nível internacional.

"O turismo vai se dar bem com a Copa. O Espírito Santo tem belezas naturais e pontos turísticos fantásticos. Não deve nada ao Nordeste, ao Sul, nem ao Rio de janeiro, que é famoso pelo mundo. Mesmo aqui não sendo sede da Copa,  o fluxo de turistas no Estado vai ser grande. E somos importantíssimos. Visitar um lugar sem o guia é passar pelo local. Visitar com o guia é conhecer profundamente este local", garante.
malasTradutor/profissional de língua estrangeira - Também deverá ter boa demanda por parte de turistas de outros países que não conhecem a Língua Portuguesa. Os tradutores e profissionais de língua estrangeira terão muito trabalho pela frente como intérpretes de textos e para acompanhar os turistas em passeios e eventos.
Formação: Não é necessário ter formação superior para trabalhar nesta área. Uma pessoa que fez cursos e aprimorou a língua morando no exterior durante um período pode trabalhar na função. Basta ter experiência e dominar o idioma. Mas também há os profissionais com conhecimentos acadêmicos. É preciso ter um bom currículo.
Remuneração: Varia para cada tipo de contrato, tendo em média de R$ 1,2 a R$ 1,3 mil por dia de trabalho.

No geral, ainda há poucos tradutores já prontos para o mercado no Espírito Santo, mas o número está aumentando. Quem está nesse meio é a coordenadora do programa Quinta Habilidade - sobre estudos da interpretação - e membro do Departamento de Línguas e Letras da Ufes, Lillian DePaula. Ela espera que a Copa seja só o pontapé, já que há muitos alunos interessados na profissão de tradutor.

"Com certeza a Copa do Mundo vai trazer benefícios aos tradutores no Estado. E independentemente do evento, é uma profissão que tem uma demanda que já cresce a cada dia por aqui. Eles já estão aprimorando nas demandas das empresas, nos eventos de pedras e minerais. Há muito trabalho e vai ter ainda mais com a Copa, com a vinda dos turistas", confia.
 malasVendedor de comércio varejista - O comércio é a área que mais fica atenta às novas oportunidades. A expectativa é de que haja uma ampliação nas contratações para a Copa, como acontece nas contratações de temporada (Natal, Ano Novo e volta às aulas). Com a competição no Brasil, espera-se que a comercialização de objetos decorativos e roupas com motivo do Brasil seja grande no Estado, tornando necessário contratar novos vendedores. Esses profissionais lidam diretamente com o público, auxiliam na escolha dos produtos e apresentam as ofertas e melhores opções de compra nas lojas.
Formação: Não é necessário ter uma formação acadêmica ou curso técnico. É importante ter boa desenvoltura para lidar com o público, ter simpatia e saber vender.
Remuneração: entre R$ 500 e R$ 2 mil

Aline de Caldas Merlim, 26 anos, é vendedora de uma loja de roupas em Vitória e está confiante com relação ao período da Copa de 2014. Avaliando de acordo com as vendas do último mundial de futebol, ela acredita que o que não vai faltar é trabalho para vendedores.

"Na copa passada teve aumento tão grande nas vendas que chegou a faltar peça para vender. Com essa Copa sendo aqui no Brasil, vai trazer muita gente para o comércio. Não tenho dúvida. É igual temporada. Naturalmente vão precisar de mais vendedores para dar conta de tanto comprador", espera.
malasHotelaria (camareiras/carregadores/recepcionistas) - O setor de hoteis e pousadas também conta com a presença de turistas no Espírito Santo para que a profissão receba um incentivo durante a Copa do Mundo. Os hoteis esperam um grande volume de estrangeiros e de brasileiros de outras regiões que venham para os jogos no Sudeste. O difícil é encontrar profissionais qualificados para ocupar as vagas em hotelaria.
Formação: Não há exigência de cursos. Depende do perfil do profissional em relação a cada hotel. Mas é necessário apresentar experiência nas áreas específicas, como saber lidar com limpeza e arrumação (camareiras) e ter boas comunicação e aparência (recepcionista).
Remuneração: varia por estabelecimento e classificação do hotel. Em um hotel de três estrelas, as remunerações vão de R$ 1 mil para camareira e R$ 2,5 mil para recepcionista

Helena Silva, gerente de eventos de um hotel no Centro de Vitória, lida com a contratação de novos profissionais constantemente. Mesmo com a grande possibilidade de ganhos na hotelaria com a Copa, ela afirma que há dificuldade para contratar bons profissionais no Estado.

"Estamos torcendo para que todas as expectativas se concretizem. Sempre há expectativa, ainda mais para uma Copa do Mundo que terá jogos em locais próximos. E a gente tem procurado pessoas qualificadas, mas temos muita dificuldade de encontrar. Quando a pessoa tem bom currículo, geralmente não tem o perfil do hotel".
malasTransporte particular (taxista/motorista) - Com muita gente que não conhece o Estado, crescem as possibilidades no setor de transporte particular. Taxistas e motoristas executivos podem ter ganhos com a Copa. A expectativa é que a profissão seja bastante requisitada durante todo o período da competição.
Formação: cursos de transporte de passageiros, primeiros socorros, atendimento ao
público, direção defensiva. Todos os cursos são exigidos pelas empresas de transporte particular para garantir a segurança dos passageiros durante o transporte.
Remuneração: entre R$ 1,5 mil e R$ 2 mil

Marlon Mendes trabalha em uma empresa de transporte particular e confia em bons frutos para os motoristas capixabas com a competição mundial no Brasil. Para ele, o principal motivo da escolha por transporte executivo é a segurança oferecida.

"A demanda deve ser muito grande com a Copa. E os turistas devem procurar esse lado mesmo,  principalmente pela segurança e o conforto. Nós temos visto muita reclamação a respeito de transportes, pela qualidade do serviço. Então a preocupação tem sido grande. Até 2014 o transporte executivo tem a tendência de se expandir, até mesmo para comportar a procura".
Avalie o Conteúdo:

0 comentários: