NOSSA POLITÍCA

7 de ago de 2010

Náutico e Sport ficam só no empate nos Aflitos

Futebol > Notícias

Publicada em 7/8/2010 às 21:15
Equipes fizeram partida emocionante neste sábado, que honrou a fama do Clássico dos Clássicos

Náutico pressionou no segundo tempo, mas não venceu o Sport (Crédito: Aldo Carneiro)
Náutico pressionou no segundo tempo, mas não venceu o Sport (Crédito: Aldo Carneiro)
LANCEPRESS!
Náutico e Sport fizeram um grande partida neste sábado, digna da história do Clássico dos Clássicos. Pena que ficaram apenas no 1 a 1, nos Aflitos, pela Série B do Campeonato Brasileiro.Os dois gols do jogo foram marcados ainda no primeiro tempo.
Como não poderia deixar de ser, o Clássico dos Clássicos começou a mil por hora. O Náutico apostava em seu trio de atacantes, formado por Geílson, Cristiano e Bruno Veiga. Já o rival, no 4-5-1, procurava chegar ao ataque com o maior número possível de meio-campistas, para auxiliar o isolado Ciro.
Mas o atacante do Leão mostrou já ser um rapaz bem independente. Logo aos quatro minutos de jogo, ele invadiu a área pela direita e tentou passar para Eduardo Ramos. A defesa adversária afastou mal e o próprio Ciro pegou o rebote, chegando de carrinho, e abriu o placar para o rubro-negro.
O Náutico não acusou o golpe e continuou partindo para cima, em velocidade. Aos 12, em rápido contra-ataque, Geílson avançou pela esquerda e cruzou rasteiro, na medida para Elton. O volante só deve o trabalho de escorar a bola para o fundo do gol. Um lance em que a defesa do Sport mostrou um dos seus (senão o maior) problemas nesta Série B: a falta de atenção.
Apenas sete minutos depois de marcar, o Timbu teve outra grande chance. Geílson recebeu cara a cara com o goleiro Magrão, mas ao invés de chutar, tentou dribá-lo. O camisa 1 do rubro-negro saiu bem de sua meta e evitou o pior. O problema é que a defesa do mandante também "ajudava". Renato disparou pela direita e chutou rasteiro e Glédson desviou. A bola já ia entrando, mas o zagueiro Walter salvou em cima da linha.
Os rivais pernambucanos diminuíram de ritmo a partir dos 35 minutos, mas devem ter ido para os vestiários contentes com o primeiro tempo intenso que proporcionaram aos torcedores nos Aflitos, digno do Clássico dos Clássicos.
Náutico sufoca Sport no segundo tempo
O Sport sofreu no intervalo uma dura baixa. Moisés, que retornava ao time após lesão, voltou a sentir dores e teve que ser substituído por Eduardo Ratinho. A baixa pareceu ter afetado o time, que com menos de dois minutos da segunda etapa, permitiu que o Náutico acertasse sua trave, com Geílson, de cabeça.
Para piorar, Da Silva - improvisado pelo técnico Toninho Cerezo na lateral-esquerda -, acabou sendo expulso pelo segundo cartão amarelo. O zagueiro foi vítima durante praticamente todo o tempo em que esteve em campo das investidas de César Prates e Bruno Veiga.
Com um a mais, o Náutico engatou a quinta marcha e passou a sufocar o rival em seu campo de defesa. Geílson teve pelo menos três grandes chances nos primeiros 15 minutos da etapa final. Porém, estava com o pé torto neste sábado. O Leão conseguiu emplacar um bom contra-ataque com Ciro e Eduardo Ramos, mas o segundo (mal posicionado), não conseguiu finalizar bem.
Aos 19, a dupla responsável pelos ataques rubro-negros desperdiçou outra grande oportunidade. No dois contra um, Eduardo Ramos demorou demais para passar para Ciro, e Wescley conseguiu fazer o corte. Com um jogador a menos, esse tipo de chance não pode ser lançada fora. Ainda mais para o Sport, que está na




parte de baixo da tabela de classificação da Série B.
A partida seguiu movimentada, mas o número de chutes a gol foi diminuindo. Aos 32 minutos, Evando recebeu livre dentro da área e tocou na saída de Magrão. O problema é que o impedimento já havia sido assinalado (corretamente). Além de estar na "banheira", o atacante foi punido com o cartão amarelo por finalizar depois do apito.
O Náutico continuou em cima, mas pecava muito no último passe e nos recorrentes impedimentos. Com certa facilidade para tocar a bola, Cerezo tirou o volante Zé Antônio e colocou o atacante Leandrão, para ajudar Ciro na frente.
O Timbu ainda teve duas últimas oportunidades com Evando nos minutos finais, mas a igualdade permaneceu até o apito do árbitro Cláudio Mercante. Com isso, o Sport permanece na zona de rebaixamento, e o Timbu no G4 da Segundona.
O resultado pode não ter agradado as equipes, mas não há o que reclamar sobre a emoção que a partida teve.
FICHA TÉCNICA
NÁUTICO 1 X 1 SPORT

Local: Ilha do Retiro, em Recife (PE)
Data/hora: 07/08/2010, às 16h10 (em Brasília)
Árbitro: Cláudio Mercante (PE)



















Assistentes: Altemir Hausmann (RS) e Ednílson Corona (SP)
Cartões Amarelos: Evando (NAU), Geílson (NAU), Ramirez (NAU), Da Silva(2) (SPT) e Eduardo Ramos (SPT) e Eduardo Ratinho (SPT).
Cartões Vermelhos: Da Silva (SPT)
Gols: Ciro (0-1), 4'/1°T e Elton (1-1), 12'/1°T.
NÁUTICO: Glédson; César Prates (Wilton Goiano, 18'/2°T), Walter, Wescley e Zé Carlos; Ramirez, Elton, Giovani; Geílson, Cristiano (Evando, 17'/2°T) e Bruo Veiga (Thiaguinho, 24'/2°T). Técnico: Alexandre Gallo.
SPORT: Magrão; Renato, Igor, César e Da Silva; Zé Antônio (Leandrão, 39'/2°T) , Moisés (Eduardo Ratinho, intervalo), Germano, Eduardo Ramos e Elton (Daniel Paulista, 9'/2°T); Ciro. Técnico: Toninho Cerezo.
Avalie o Conteúdo:

0 comentários: