NOSSA POLITÍCA

28 de jul de 2015

Adolescente mata homem em frente da família na SerraVFoto: Laureen Bessa

Após reagir ao assalto, Alecsandro José da Silva, de 37 anos, foi baleado na cabeça por um adolescente de 16 anos, na noite desta segunda-feira (27), em frente a um bar e restaurante localizado em Bairro de Fátima, na Serra. O suspeito foi apreendido três horas depois do crime, na casa da mãe, em Val Paraíso, no mesmo município.
Segundo informações, a vítima tentava retirar as filhas de dentro do veículo, em seguida entrou em luta corporal com o adolescente, que acabou disparando contra Alecsandro por duas vezes. A vítima foi atingida por um projétil na cabeça e socorrida para a Unidade de Pronto Atendimento de Carapina (Upa), mas não resistiu e faleceu no hospital.
Foto: Laureen Bessa
De acordo com o delegado da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Rodrigo Sandi More, o roubo do veículo – uma Hilux – fora encomendado. O carro seria vendido por R$ 5 mil e o adolescente ficaria com R$ 2 mil. “O adolescente confessou que atirou na vítima, mas que na verdade queria a Hilux. O carro seria vendido por R$ 5 mil e ele iria ficar com R$ 2 mil. Ele fugiu com um comparsa de carro após ter atirado contra a vítima. Ele foi apreendido em flagrante e estava dormindo na casa da mãe, como se nada tivesse acontecido”.
Sandi More afirmou ainda que só foi possível fazer a apreensão do adolescente, pois o acusado deixou o celular cair dentro do veículo.
A arma do crime, um revólver calibre 38, não foi encontrado. A polícia acredita que a arma pertencia ao comparsa, que está sendo investigado pela Delegacia Patrimonial. Câmeras de videomonitoramento de estabelecimentos próximos e da Prefeitura flagraram toda a ação.
“Foi tudo muito rápido”, conta esposa da vítima
A esposa de Alecsandro, a vendedora Denize Maciel de Lacerda, 36, contou que a família estava indo comemorar o aniversário da filha de quatro anos, em um outro estabelecimento, mas o Alecsandro mudou de ideia e não quis ficar no local. Ao chegar no restaurante do Bairro de Fátima, ela desceu e foi pegar a filha no banco de trás, quando olhou para o marido e viu o adolescente apontando a arma para ele.
“Na hora que eu vi a arma, eu saí correndo, comecei a gritar por socorro, mas quando eu voltei desesperada, o Alecsandro deu um empurrão no bandido e voltou correndo para pegar as meninas dentro do carro, ele gritava – ‘minhas filhas, minhas filhas cara’ – foi tudo muito rápido”, lembrou Denize.
A vendedora relatou ainda que o adolescente já estava com as chaves do veículo nas mãos e estava dentro do carro, quando o marido voltou e entrou no carro pelo carona e reiniciou a briga, foi quando ela escutou os disparos.
“Quando vi, meu marido estava caindo no chão, o rapaz saiu correndo e entrou dentro de outro carro que estava esperando por ele. Alecsandro foi socorrido pela própria polícia, levaram ele para a UPA de Carapina, tentaram reanimá-lo, mas às 21h30 me contaram que ele havia morrido. Minhas filhas estão em estado de choque, a mais nova não está falando e a mais velha está dizendo que eu que estava sangrando, está tudo muito confuso”, afirmou a esposa da vítima.
De acordo com Denize, o esposo já havia sido sequestrado há um ano e meio atrás, mas nada de mais grave chegou a acontecer.
“Atirei porque ele queria pegar a minha peça”, disse adolescente
O adolescente de 16 anos, afirmou que deixou a vítima retirar as filhas de dentro do carro, mas como a vítima tentou tirar a arma da mão dele, acabou disparando. “Enquadrei ele e pedi as chaves, aí ele me empurrou e disse que estava com as filhas, eu deixei ele tirar as meninas, depois ele veio me deu uma porrada na boca e tentou pegar minha peça. Atirei porque ele queria pegar a minha peça. Não queria matar ele não, não queria atirar em ninguém, agora vou ficar preso por três anos e nem sei o que vai acontecer”.
O acusado recebeu auto de infração por latrocínio e porte ilegal de arma de fogo. Ele será ouvido pelo juiz da Vara da Infância e Juventude da Serra, que irá definir para onde o adolescente será encaminhado.
Alecsandro José da Silva será enterrado ainda nesta terça (28), no cemitério Jardim da Paz, na Serra.
Comerciantes afirmam que assaltos são constantes
Para os comerciantes da região, onde aconteceu a tentativa de roubo, que acabou com a morte de Alecsandro, afirmam que assaltos à mão armada e de veículos são constantes.
“Não estamos seguros em lugar nenhum, eles roubam, assaltam e nada muda. Essa situação, como a de ontem, já aconteceu várias vezes, lógico com menos morte, mas é constante. Acredito que seja pela facilidade de fuga, os bandidos conseguem fugir para BR 101, Orla de Camburi e até pelo Contorno. O policiamento aqui é quase nulo”, disse o proprietário de uma banca de jornal, Franklin Soares.
Já a funcionária de uma doceria, Roseane de Oliveira, confirmou que os assaltos e roubos na região são constantes. “Olha, a gente sempre escuta uma conversa de que algum estabelecimento foi assaltado, uma pessoa foi roubada, mas como aconteceu ontem, é muito raro. A polícia passa por aqui, faz o patrulhamento, mas parece que os bandidos ficam de olho, esperando a polícia ir embora para poder agir. A situação é complicada”.
Fonte: EShoje
Avalie o Conteúdo:

0 comentários: