NOSSA POLITÍCA

9 de nov de 2014

Avô e neto morrem abraçados em queda de ultraleve no Piauí

O piloto Carlos Alves Brandão voava junto de Lucas Brandão, de 5 anos, no aeródromo em Teresina; os corpos foram localizados em mata fechada na manhã deste domingo


A aeronave caiu de bico e encontramos
 o piloto debruçado sobre o neto, os dois de cintos abraçados, como se o avô estivesse tentando proteger o garoto", disse o major do Corpo de Bombeiros, Glécio Mendes da Rocha
Foto: Yala Sena / Especial para Terra
A queda de um ultraleve no início da noite deste sábado (8) matou o empresário Carlos Alves Brandão, 68 anos, e seu neto, Lucas Brandão, de 5 anos, durante voo no aeródromo em Teresina, Piauí. O acidente ocorreu por volta das 17h40 quando Carlos Brandão passeava com o neto na região de Cacimba Velha, zona rural da capital piauiense.
Segundo os populares, durante a queda houve um forte barulho, mas os moradores não sabiam que se tratava de um acidente. Quando chegou a noite e o piloto não retornou ao Clube de Ultraleve, os amigos acionaram a polícia para fazer as buscas. Somente por volta das 7h deste domingo, os corpos foram localizados em mata fechada pelo helicóptero da Polícia Militar do Piauí.
O major do Corpo de Bombeiros, Glécio Mendes da Rocha, um dos primeiros a chegar ao local, informou que pelo cenário encontrado, o piloto morreu tentando salvar o neto.
“A aeronave caiu de bico e encontramos o piloto debruçado sobre o neto, os dois de cintos abraçados, como se o avô estivesse tentando proteger o garoto", disse o major.
O acidente ocorreu no aeródromo Nossa Senhora de Fátima, cerca de 200 m da cabeceira da pista. A aeronave é da marca Storm, prefixo PUJAM, com data de fabricação de 2002. Os amigos que estiveram no local do acidente informaram que Carlos Brandão é um piloto experiente, que formou vários pilotos no Piauí. Ele é um dos fundadores do Clube de Ultraleve de Teresina.
Pessoas próximas ao local ouviram um forte barulho,
mas não sabiam que se tratava de um acidente

Foto: Yala Sena / Especial para Terra

Um dos alunos do piloto, Matias Teles, conta que Carlos Brandão voava desde 1980. “Ele era um piloto muito experiente. Deu aulas para mim e para meu filho. Ele foi instrutor de muitas pessoas no Piauí e era extremamente cuidadoso. Estamos todos chocados”, descreveu.
Francisco de Sousa Silva, morador da região onde ocorreu o acidente, conta que chegou a ouvir um grande estrondo por volta das 17h30 do sábado. “Mas pensei que não era nada demais já que era costume ver aviões voando baixo por ali”, disse.
Os corpos foram retirados do ultraleve por volta das 11h30 deste domingo e levadas para o IML. O 11º Distrito Policial é que vai investigar as causas do acidente.
É a segunda queda de uma aeronave em menos de um ano. Em dezembro do ano passado, quatro pessoas morreram na queda de um avião monomotor, modelo Cessna 172 e prefixo PT-CNL, no aeroporto senador Petrônio Portella, em Teresina.

Fonte: Terra

Avalie o Conteúdo:

0 comentários: