NOSSA POLITÍCA

13 de mai de 2011

comparações de Madonna com Lady Gaga

Folha de SP revela comparações de Madonna com Lady Gaga

Hoje não se falou em outra coisa: o tão esperado novo single da Lady Gaga que foi divulgado oficialmente no site da artista. (não ouviu? clique aqui)
Mas o que vem dominando a mídia do planeta inteiro é a associação que “Born This Way” possui com “Express Yourself” da Madonna.
Eu, particularmente, não vejo semelhança melódica alguma a não ser, claro, a mensagem transmitida: liberdade em se aceitar, amar e ser feliz.
O jornalista James Cimino da Folha Online publicou um texto que parece traduzir a real essência nessa semelhança, além de fazer uma análise comparativa entre Madonna e Lady Gaga. Confira:
.

A geração dos “sem Madonna”
“Eu nasci assim.” A frase não é da canção “Modinha para Gabriela”, de Dorival Caymmi, imortalizada na voz de Gal Costa. É apenas o título do novo single de Lady Gaga (“Born this Way”), que acaba de vazar e já causa polêmica por lembrar “Express Yourself”, o hit de Madonna de 1989 que conclamava a geração oitentista a aceitar apenas o amor incondicional.
A canção de Gaga, podem aguardar, vai ser um hit e não é tão ruim quanto se diz, mas trouxe ao Twitter um conflito de gerações.
Quando tuitei que o novo single de Lady Gaga se chamava “Eu nasci assim: sem criatividade”, um jovem seguidor me comoveu com um apelo ao respeito pela nova artista.
Em vários “tweets”, ele questionou o seguinte: “Qual o problema em deixar que a minha geração sinta tudo o que Madonna fez vocês sentirem? Será que na época de vocês não tinham pessoas criticando Madonna? Nós não temos o que vocês tiveram. É isso.”
A minha crítica não é especificamente a Lady Gaga, mesmo porque, no artigo “Lady Gaga e a Lojinha do Pop”, eu festejava a nova diva pop justamente pela maneira criativa como fazia o pastiche dos ícones dos anos 1980 e 1990 em seus dois primeiros álbuns. No entanto, uma coisa se revela após o lançamento do novo single de Gaga e do último disco de Christina Aguilera: falta background a todas essas divas novatas.
Madonna é fruto de uma geração modernista, que criava sentidos para expressar sua insatisfação contra a ideologia dominante, repressora, castradora.
Estudou com a coreógrafa Martha Graham, conviveu com Basquiat e Andy Warhol, tirava notas altas na escola para conseguir dinheiro do pai e sempre usou a sedução feminina de forma a subjugar os homens.
Foi para Nova York vinda do interior, diz a lenda, com US$ 35 no bolso, morou em espeluncas, trabalhou no Dunkin’ Donuts, quebrou a cara e adquiriu experiência.
Com base em sua educação católica e em toda a repressão que sofreu no seio familiar, criou sua obra-prima “Like a Prayer”. Pela necessidade de entender sua maternidade, criou “Ray of Light”; do medo da velhice e da nostalgia das pistas de dança dos anos 1970 nasceu “Confessions on a Dance Floor”. Da necessidade de ser dona de seu desejo sexual como são os homens, criou “Erotica” e “Justify My Love”, cujos vídeos primam pela sutileza e pelo sugestionamento sexual.
Não há uma cena de nudez explícita nos dois vídeos, mas não houve menino daqueles anos 1990 que não tenha corrido para o quarto após vê-la simulando masturbação em uma cama de veludo vermelho com os cônicos e icônicos corpetes de Jean-Paul Gaultier. “Eu soube que era gay quando vi ‘Justify My Love’ pela primeira vez”, me disse certa vez um amigo.
Já Lady Gaga, Britney e Aguilera são da geração pós-moderna, carente de sentido, de ideologia e de educação formal. O caminho aberto por Madonna em termos de comportamento feminino e homossexual deixou essa geração sem ter o que contestar. Quando Gaga diz que “nasceu assim”, está falando desses jovens frutos do determinismo histórico de Fukuyama: tudo está feito, estamos presos a nós mesmos e nunca seremos sujeitos ativos sobre nada, porque o problema e a solução está sempre no outro.
Enquanto Madonna olhava para as tendências musicais do futuro próximo, as engolia, misturava com suas questões existenciais e as regurgitava em algo aparentemente novo, as novatas do pop parecem fazer o caminho inverso e exatamente por isso são classificadas de plagiadoras.
Se Gaultier traduzia Madonna em corpetes, Lady Gaga traduz as roupas de Alexander McQueen e as bases musicais de Madonna, do Ace of Base e do Depeche Mode em performance e música.
Madonna e Michael Jackson eram os ícones que os outros analisavam, discutiam e tentavam decifrar. Lady Gaga e as outras são exatamente o contrário. Artistas carentes de sentido que buscam nos símbolos criados pelas gerações passadas uma substância para sua performance muitas vezes vazia e desesperada.
Lady Gaga é boa. De todas as que estão aí, aliás, é a melhor. E isso se evidencia quando ela, assim como Madonna, fala daquilo que é sua essência, como em “Beautiful and Dirty Rich”, “Poker Face”, “Telephone” e “Paparazzi”. Mas se continuar olhando para os sintetizadores dos anos 1990, vai cansar logo.
Quanto à carência de um ícone para chamar de seu do meu seguidor, recomendo que não tente sentir o que sentimos com Madonna e Michael Jackson, assim como foi inútil à minha geração tentar sentir o que eram os Beatles e os Stones no auge. Esqueçam as divas que não se esquecem da Madonna, vão a uma balada que toque LCD Soundsystem, Scissor Sisters, Cut Copy, La Roux, Hurts, Adele, MGMT, Gorillaz, Cee Lo Green, Janelle Mónae e sintam a boa música pop de sua geração. (Por James Cimino / @james_cimino) – matéria


Informações MTV

Avalie o Conteúdo:

0 comentários: